...
 

Notícias e vídeos

Espaço reservado para divulgação de notícias e vídeos de assuntos relacionados

IMG_20221020_124157.jpg

Foto: Frutos de Campomanesia adamantium.

Fonte: Acervo pessoal Dra. Claudia Andrea Lima Cardoso

O V Seminário Estadual da Guavira terá como tema “Resgate Cultural e Bioeconomia” e será realizados nos dias 1° e 2 de Dezembro/2022. Este evento vem ocorrendo anualmente desde 2018.
Fonte: https://agroextrativismosustentavel.ufms.br/v-seminario-estadual-da-guavira-2022/

Pesquisa procura viabilizar cultivo doméstico da fruta considerada símbolo de MS. A guavira possui até 20 vezes mais vitamina C do que a laranja.

Fonte https://www.revistavidarural.com.br/o-retorno-triunfal-da-guavira/

guavirA.jpg

Foto: Frutos de Campomanesia adamantium.

Fonte: Acervo pessoal Dra. Claudia Andrea Lima Cardoso

A guavira, fruta típica daqui, está praticamente desaparecendo do cerrado. O extrativismo desordenado fez o fruto sumir em alguns estados. Em Mato Grosso do Sul, isso, felizmente, ainda não aconteceu. Podemos encontrar catadores que revendem em feiras e até às margens de rodovias. E nós descobrimos gente que está produzindo mudas e ainda estudando a fruta. Especialistas garantem: um hectare de área plantada, sem praticamente gastar nada com adubo e tecnologia, pode render até R$ 15 mil.

Fonte: http://www.diariodigital.com.br/videos

A época da colheita da guavira, também chamada de guariroba, fruta nativa do cerrado, já está quase no fim. A colheita começa em novembro, mas em algumas regiões é possível encontrar a fruta no pé. Recentemente, o fruto foi escolhido como o símbolo do Mato Grosso do Sul. E neste período de fim de ano, muita gente aproveita para ganhar um dinheiro extra com a frutinha de sabor adocicado.

 

Imagens: Wisley Weber / Sérgio Quinhones

Edição de imagens: Adriano Marcos

Projeto Sabores: Guavira e seu valor nutricional.   Valor nutricional e propriedades funcionais da Guavira. Esse vídeo faz parte da série de produzida pelo Programa de Valorização de Plantas Alimentícias do Pantanal e Cerrado. Agradecimentos: UFMS/MEC (PAEXT)